Cidade Invisível - Mito e Folclore

No dia 5 de fevereiro de 2021 estreou na Netflix a série Cidade Invisível, que conta a história do detetive da polícia ambiental Eric, que, para conseguir resolver certos casos de assassinato, começa a entrar no mundo folclórico brasileiro, o que acaba acarretando em um constante conflito com o seu ceticismo acerca do sobrenatural. Com isso, a série Cidade Invisível consegue nos proporcionar uma imersão no folclore brasileiro, que é repleto de seres mitológicos e lendas centenárias, que muitos de nós aprendemos no nosso tempo da escola ou nas conversas com os mais velhos. Mas o que é o folclore?

O Folclore tem sua origem no inglês Folk-lore, no século XIX, na qual Folk significa povo e Lore significa conhecimento. Por isso, Folclore representa o conhecimento popular, já que são as manifestações das mais variadas culturas humanas, que apresentam a identidade social de um determinado povo. As tradições folclóricas são transmitidas oralmente de geração para geração, daí sua relação com o mito, palavra esta que vem do grego Mythos, que significa “palavra expressa” ou “narrativa”, tendo em vista que o mito tem sua origem em culturas de tradição oral, na qual o conhecimento é transmitido verbalmente.

Os mitos serviam como explicação sobrenatural da realidade, já que o mito apresentava deuses, deusas e seres mitológicos para responder as questões sobre a origem do mundo, da natureza e do ser humano. Os mitos explicavam coisas das quais as sociedades primitivas ainda não conseguiam entender cientificamente, ou seja, eram utilizados seres sobrenaturais para explicar os fenômenos naturais, por exemplo, Zeus era a explicação para a formação dos raios na mitologia grega, assim como Thor era a explicação para a mesma formação dos raios na mitologia nórdica.

O folclore possui o mesmo sentido, pois serve para dar respostas a problemas do cotidiano, por exemplo, quando perdemos alguma coisa ou quando a casa fica toda bagunçada, isso seria obra do saci, ou, quando uma moça aparece grávida, mas não se sabe quem é o pai, visto que o pai não queria assumir o filho, a gravidez seria então obra do boto cor-de-rosa, para que assim a família da moça não caísse em desgraça.

A série mostra como os personagens folclóricos tiveram que se adaptar aos avanços da sociedade, tendo que conviver no meio urbano, alguns à margem da sociedade, como é o caso do saci e do curupira, mas outros sofrendo menos as consequências do ambiente contemporâneo, como é o caso da sereia Iara e da Cuca. O curupira, protetor das matas, que aterrorizava e matava todos aqueles que destruíam a fauna e a flora, é mostrado no seriado como um mendigo, como se ele tivesse perdido a sua função frente ao desmatamento desenfreado e a exploração da natureza que ocorrem atualmente. Além disso, na lenda original, o saci perde a perna lutando capoeira, mas o seriado mostra um sentido mais histórico, ligando a lenda do saci ao período da escravidão, demonstrando o sacrifício que alguns escravos tinham que fazer caso eles quisessem ser livres.

A série apresenta também como a modernidade foi tomando o espaço do folclore, ao expor a ideia de que o progresso precisa continuar em detrimento da preservação da cultura, representado pela empresa que quer comprar as terras da Vila na qual o seriado se passa, simbolizando a monopolização da economia como a nova porta voz da verdade, destruindo e confiscando a tradição cultural folclórica. Outro personagem folclórico da série chama a atenção por sua simbologia também, o corpo-seco, uma entidade tão ruim que nem a terra o quis depois de morto, e, por não poder ir nem para o céu e nem para o inferno, ele fica perambulando pela terra. Em Cidade Invisível, o corpo-seco se torna uma espécie de espírito que rouba as almas dos personagens folclóricos, como se o período moderno devorasse a tradição folclórica, não dando mais chances para a antiga cultura. Por isso, um dos maiores ensinamentos que a série nos traz é a importância de valorizarmos o nosso folclore, não nos esquecendo de nossas origens e nos fazendo lembrar das incríveis histórias que permeiam a nossa riquíssima cultura folclórica brasileira.

Autor: João Paulo Rodrigues

Referências:

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. FILOSOFANDO: Introdução à Filosofia. 6ª Edição. São Paulo; Editora Moderna, 2016.

https://www.todamateria.com.br/lendas-do-folclore/

https://brasilescola.uol.com.br/folclore

https://brasilescola.uol.com.br/historiab/curupira.htm

https://jovemnerd.com.br/nerdbunker/quem-e-o-tutu-o-que-e-o-corpo-seco-e-outras-questoes-de-cidade-invisivel/

https://www.omelete.com.br/netflix/criticas/cidade-invisivel